Estilo Pessoal: Ferramenta Estratégica de Relações Públicas / Personal Style: A strategic tool for Public Relations

Thales José dos Santos Balbino, Júlio Afonso Sá de Pinho Neto, Agda Patrícia Pontes de Aquino

Resumen


Com o objetivo de analisar se o estilo pessoal pode ser considerado uma ferramenta estratégica de Relações Públicas, este trabalho se originou de uma pesquisa exploratória na qual buscou-se, através de pesquisa bibliográfica, analisar a gestão de marcas pessoais a partir dos princípios das Relações Públicas e entender a função comunicativa da moda, do vestuário e do estilo pessoal. Foi possível perceber que através das Relações Públicas Pessoais, o profissional de Relações Públicas pode atuar de forma plena na gestão de marcas pessoais, aplicando as mesmas técnicas destinadas às organizações. Concluiu-se, então, que o estilo pessoal deve ser considerado uma ferramenta de Relações Públicas e que pode ser utilizado, estrategicamente e profissionalmente, para resolver os problemas e atingir os objetivos delimitados no processo de Relações Públicas.


Citas


Aguiar, T. (2011). Personal Stylist: guia para consultores de imagem. 6. ed. São Paulo: Editora Senac.

Aranha, L. (2010). Cartas a um jovem relações-públicas: Construindo relacionamentos. Rio de Janeiro: Elsevier.

Araújo, J. (29 out. 2012). Folhapress In “Lula percorre o país para eleger aliados”. UOL. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2014.

Barnard, M. (2003). Moda e comunicação. Tradução de Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco.

Cabette, T. (2010). Debate da TV Globo. Color. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2014.

Carvalho, A. (2013). “Design e Branding”. In Nicolau, R. (org.). Zoom: design, teoria e prática. João Pessoa: Ideia.

Carvalho, M. (2014). Moda e personalidade em sintonia: expert ensina você a encontrar o seu estilo. Marie Claire, 4 mar. 2014. Entrevista concedida a Daniela Bueno e Graziela Salomão. Disponível em . Acesso em: 7 mar. 2014.

Cosgrave, B. (2012). História da indumentária e da moda: da antiguidade aos dias atuais. Tradução de Ana Resende. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.

Del Blanco, R. (2010). Você® marca pessoal: como gerenciar sua vida com talento e transformá-la numa experiência única. São Paulo: Saraiva.

Fortes, W. (2003). Relações Públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. 3. ed. rev. São Paulo: Summus.

Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Guerra, C. (2013). Moda intuitiva: um “não manual” de moda para ajudar você a descobrir seu próprio estilo. São Paulo: Lafonte.

Lauer, C. (2011). O que é Media Training?. Catho, 10 mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2014.

Marinho, C. y Martins, M. (2012). Estilo pessoal: trajetória e aspectos comunicacionais. Colóquio de moda, 8. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2014.

Marinho, C. y Martins, M. (2010). A mulher contemporânea e a relação: aparência, estilo pessoal e moda. Encontro de ensino, pesquisa e extensão da faculdade senac, 4. Recife: Faculdade Senac Pernambuco. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2014.

Marinho, C. (2011). O visual como aliado. Medzine, n. 1. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2014.

Marinho, C. y Lima, I. (2007). Descubra seu estilo: relato de uma experiência. Encontro de ensino, pesquisa e extensão da faculdade senac, 1. Recife: Faculdade Senac Pernambuco. Disponível em: < http://www.pe.senac.br/ascom/faculdade/Anais_EncPesqExt/I/anais/

comunicacao/004_2007_oral.pdf>. Acesso em: 12 out. 2014.

Migliato, C. (2013). Marina Silva aposta em elementos orgânicos na moda. Exame, 12 ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2014.

Molina, L.; Mathias, M. e Kobayashi, S. (2012). Guia de estilo para candidatos ao poder: e para quem já chegou lá. São Paulo: Editora Senac.

Mota, M. (2008). Moda e Subjetividade: corpo, roupa e aparência em tempos ligeiros. Modapalavra e-periódico. Florianópolis, n. 2, 21-31, Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2014.

Pinho, J. (2008). O contexto histórico do nascimento das Relações Públicas. In: Moura, C. (Org.). História das relações públicas: fragmentos da memória de uma área. Porto Alegre: EDIPUCRS.

SANTOS, C. (2008). Tipos de pesquisa. Disponível em . Acesso em: 12 dic. 2014.

Sarkovas, Y. y Araújo, R. (2013). O mundo está mais perto das Relações Públicas. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2014.

Sigurdson, B. (2008). Decote de Angela Merkel causa 'furor'. Color, 14 abril 2008. Disponível em: . Acesso em: 11 dic. 2014.

Silva, B. (2010). Comunicação coorporativa e reputação: construção e defesa da imagem favorável. São Paulo: Saraiva.

Ventura, D. (2008). Olhar atento: como escolher e usar óculos. São Paulo: Editora Senac.

Ventura, M. (2007). O estudo de caso como modalidade de pesquisa. SOCERJ, vol. 20, n. 5. Disponível em: . Acesso em 15 dic. 2014.

Vieira, A.; Salles, C.; Lima, P. (2010). Relações Públicas Pessoais: Estudo sobre um novo cenário de atuação para o profissional de Relações Públicas. Disponível em: . Acesso em: 4 dic. 2014.


Texto completo: VER TEXTO

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef