O papel do relações-públicas no planejamento estratégico sob a ótica das teorias consequencialistas/ A public relations’ role in strategic planning under consequentialist theories and perspectives

Maria Eugênia Porém, Tamara de Souza Brandão Guaraldo

Resumen


As teorias consequencialistas postulam que as consequências da ação devem ser o foco principal do pensamento sobre a ética profissional. Aplicadas ao campo do papel do relações-públicas no planejamento estratégico, as teorias consequencialistas podem oferecer subsídio à tomada de decisões, pois o consequencialismo costuma ser entendido como um padrão que pode indicar fatores ou propriedades que tornem uma ação moralmente certa ou errada. Apresentam-se duas teorias de base consequencialista aplicadas à área de Relações Públicas: a Teoria das partes interessadas e a Teoria Geral de Excelência em Relações Públicas. Conclui-se que, ao se comunicar com diferentes públicos, os relações-públicas podem trazer para o processo de planejamento estratégico as opiniões dos públicos que são afetados pela organização e, consequentemente, permitir sua participação na tomada de decisão.


Citas


Ackoff, R.L. (1978). Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos.

Boccato, V. R. C. (2006). Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274.

Conselho Federal de profissionais de Relações Públicas. (2013). Código de ética. Disponível em: Acessado em: 01 de Julho de 2013.

Dmitruk, H.B. (2004). Pesquisa bibliográfica e outros tipos de pesquisa. In: ______ . (Org.) Caderno metodológicos: diretrizes do trabalho científico. 6.ed. Chapecó: Argos.P. 67-76.

Ferrari, M.A. (2009). Parte 2: Cenário Latino-americano da Comunicação e Relações Públicas. (p. 125-128). In: Grunig; J.E; Ferrari, M.A.; França, F. (2009). Relações públicas: teoria, contexto, relacionamentos. São Caetano do Sul, SP: Difusão.

___. (2006). As dimensões locais das relações públicas internacionais: teorias e paradigmas. Revista Organicom, Ano 3, nº 5. 2º semestre.

Galvão, P. Consequencialismo. (2010). Dicionário de filosofia e moral política. Instituto de Filosofia da Linguagem. Universidade Nova de LIsboa, Lisboa/Portugal. Disponível em: www.ifl.pt Acesso em 15 abril 2013.

Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gonçalves,G.M.P. (2005). Relações Públicas e responsabilidade pública: da visão sistêmica à visão altruísta. Anais do III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO, Covilhã, Portugal. Vol II, p.407-415.

Grunig, J.E.; Ferrari, M.A.; França, F. (2009). Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul, SP: Difusão editora.

Grunig, J.E. (2009). Parte 1: Uma teoria geral de excelência em Relações Públicas: quadro teórico para o exercício da profissão. (p. 15-124. ) In: Grunig, J.E.; Ferrari, M.A.; França, F. (2009). Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul, SP: Difusão editora.

Grunig, J.E.; Hunt, T. (1984). Managing public relations, New York, Holt, Rinehart & Winston.

Knights, D; Morgan, G. (1991). Corporate stretegy,organizations, and subjetivity: a critique. Organization Studies, 12, 252-273.

Kunsch, M.M. (2003). Planejamento de Relações Públicas na comunicação integrada. 5.ed. São Paulo: Summus.

Littlejohn, S.W. (1982). Fundamentos teóricos da comunicação humana. Rio de Janeiro: Zahar.

Lodi, J.B. (1986). Lobby, os grupos de pressão. São Paulo: Pioneira.

Mintzberg, H. (1994). The rise and fall of strategic planning: reconceiving roles for planning, plans, planners. New York: The Free Press.

___. (2004). Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Oliveira, D.P.R. (2007). Planejamento estratégico: conceitos, metodologias e práticas. 15 ed. São Paulo: Atlas.

Simões, R.P. (1995). Relações Públicas: Função Política. 3. ed. São Paulo: Summus.

___.(1981). A variável relações públicas no processo de marketing. O público, São Paulo, jan./fev.

Solomon, R. C. (1995).La etica de los negocios. (p. 483-498). In: Singer, P. (Org.).(1995). Compendio de ética. Madrid: Alianza Editorial.

Tabatoni, P; Jarniou, P.A. (1981). A dinámica na gestão estratégica. In: Ansoff, H.I; Declerck, R.P; Hayes, RL. (1981). Do planejamento estratégico à gestão estratégica. São Paulo: Atlas.

Warburton, N. (1998). Elementos básicos de Filosofia. Lisboa: Gradiva.


Texto completo: VER PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef