Práxis das relações públicas ética-política-estética: uma perspectiva para a hexis educativa na sociedade midiatizada / Ethical-political-aesthetic public relations praxis: a perspective for educational hexis in a mediatized society

Elisangela Lasta

Resumen


Essa proposta está fundamentada no processo do educar (hexis educativa) articulado para a práxis das relações públicas no contexto da sociedade midiatizada, que passa a estabelecer-se por meio da perspectiva ética-política-estética. Isto é, a considerarmos o movimento teoria-prática para o fazer/existir/representar dos atores individuais e coletivos no e pelos media digitais a partir do saber dizer/publicizar, sustentados nos processos comunicacionais sócio-técnicos-discursivos. Para tanto, fez-se uso da pesquisa empírica em comunicação, com a qual apreendemos essa realidade constituída de 15[1]instituições não midiáticas e a reflexionamos para construir este entendimento.


[1]Telefônica Brasil S.A.; Magazine Luiza S.A.; Guararapes Confecções S.A.; Têxtil Renauxview S.A.; Ampla Energia e Serviços S.A.; Light S.A.; Portobello S.A.; Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras; Cia Energética de Minas Gerais; Anhanguera Educacional Participações S.A.; Natura Cosméticos S.A.; Dohler S.A.; Duke Energy Int. Ger. Paranapanema S.A.; Gol Linhas Aéreas Inteligentes S.A.; e CyrelaBrazilRealty S.A. Empreend. e Part.


Citas


BALDISSERA, R. (2014). Comunicação organizacional, tecnologias e vigilância: entre a realização e o sofrimento. E-Compós, Brasília, v.17, n.2, maio/ago. p. 115-20.

BARICHELLO, E., LASTA, E. (2017). A Práxis reflexiva das relações públicas no contexto da sociedade midiatizada: uma proposta teórico-prática para o ensino em ambiências digitais. FAMECOS, v. 24, n. 2, maio, junho, julho e agosto, p. 1-19.

__________. (2010). Desintermediação na sociedade midiatizada: Petrobras e suas práticas comunicacionais no blog corporativo. Fatos e Dados. Chasqui – Revista Latinoamericana de comunicação. n. 112, dezembro. p. 75-80.

BRAGA, J. L. (2012). Circuitos versus campos sociais. In: JUNIOR, J., MATTOS, M., JACKS, N. (org.). Mediação & Midiatização. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós. p. 31-52.

CAVALCANTE, M. (2010). Mapeamento e produção de sentido: os links no hipertexto. In: MARCUSCHI, L., XAVIER, A. (org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de sentido. São Paulo: Cortez. p. 198-206.

DOMINGUES, J. (2010). O paradigma mediológico: Debray depois de McLuhan. Covilhã: Livros Labcom.

DUPAS, G. (2005). Atores e poderes na nova ordem global: assimetrias, instabilidade e imperativos de legitimação. São Paulo: UNESP.

GIDDENS, A. (2003). A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

HJARVARD, S. (2012). Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, São Paulo, nº 5, pág. 53-91.

JOHNSON, T. (2010). Pesquisa social mediada por computador: questões, metodologias e técnicas qualitativas. Rio de Janeiro: E-papers.

LANDOWSKI, E. (1992). A sociedade refletida: ensaios de sociossemiótica. São Paulo: Pontes.

LASTA, E. (2017). (Re)discutindo a assessoria de comunicação no contexto da sociedade midiatizada. Abrabcorp, p. 1-15 (NO PRELO).

_____. (2015). A práxis reflexiva das relações públicas na sociedade midiatizada: mediação estratégica comunicacional nos blogs corporativos. Tese (Doutorado em Comunicação) - Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

LEMIEUX, V., OUIMET, M. (2004). Análise estrutural das redes sociais. Lisboa: Instituto Piaget.

MARTELETO, R., TOMAÉL, M. (2005). A metodologia de análise de redes sociais (ARS). In: VALENTIM, M. Métodos qualitativos de pesquisa em ciências da informação. São Paulo: Polis. p. 81-100.

MORENO, A., MOLLEDA, J.C., ATHAYDES, A., SUÁRES, A.M., HERRERA, M. E ÁLVAREZ, A. (2017). Latin American Communication Monitor 2016 – 2017. Tendencias en Comunicación estratégica: big data, automatizaciónengagement, influencers, coaching y competencias. Resultados de una investigación em 17 países. Madrid, Espanha:EUPRERA/DIRCOM.

PERUZZOLO, A. (2004). Elementos da semiótica da comunicação: quando aprender é fazer. Bauru/SP: EDUSC.

RECUERO, R. (2011). Estudos de Redes Sociais. In: AMARAL, A., FRAGOSO, S. E RECUERO, R. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina.

RICOEUR, P. (2006). Percurso do reconhecimento. São Paulo: Loyola.

RODRIGUES, A. D. (2016). O que são afinal os media?. In: BRUCK, M. S. E OLIVEIRA, M. E. (org). Atividade comunicacional em ambientes mediáticos: reflexões sobre a obra de Adriano Duarte Rodrigues. São Paulo: Intermeios, p. 175-185.

SODRÉ, M. (2009). Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes.

______. (2007). Sobre a episteme comunicacional. Matrizes, São Paulo: ECA/USP, p. 15-26.

VÁZQUEZ, A. S. (1968). Filosofia da praxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra Ltda.

VIZER, E. (2011). A trama (in) visível da vida social: comunicação, sentido e realidade. Porto Alegre: Sulina.


Texto completo: VER PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef

Síguenos en Twitter