Docência em Relações Públicas: fragmentos de uma reflexão inacabada/ Teaching Public Relations: fragments of an unfinished reflection

Cleusa Maria Andrade Scroferneker, Maria Inês Corte Vitória

Resumen


O presente artigo propõe discutir, mesmo que brevemente, sobre a necessidade de (re) pensar as Relações Públicas a partir dos novos cenários que se desenham e que passam a demandar profissionais de comunicação críticos e reflexivos, com competências para além do ‘fazer’. Trata-se em realidade de uma discussão antiga, mas que entendemos oportuna face à implantação das Diretrizes Curriculares que definiram a ‘separação’ (grifo nosso) dos Cursos de Relações Públicas, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e que tendem, sob nossa perspectiva, à criação de ‘reservas de mercado’ em tempos em que o conhecimento não tem fronteiras.


Citas


AUGÈ, Marc (2012). Não lugares: introdução a uma antropologia da modernidade. 9. ed. Campinas: Papirus.

BARNETT, R. (2001). Los limites de la competencia. El conocimiento, La educación superior y la sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial.

CUNHA, L.A.; FERNANDES, V. (2014). Um acordo insólito: ensino religioso sem ônus para os poderes públicos na primeira LDB. En Educação & Pesquisa (849-864). São Paulo.

CUNHA, M. I., LUCARELLI, E. (Org.) (2014). Estratégias de qualificação do ensino e o assessoramento pedagógico. Criciuma/SC: EdiUNESC.

ENGERS, M. E. A., MOROSINI, M. (2007). Pedagogia Universitária e Aprendizagem. Porto Alegre: EDIPUCRS.

______, MOROSINI. M. C. (2006). Educação Superior e Aprendizagem: diferentes olhares na construção conceitual e prática En Educação (537-549). Recuperado em 10 de setembro de 2017.

FERNANDES. C. (2003). Prática pedagógica. En: MOROSINIet al. Enciclopédia de pedagogia universitária. Porto Alegre: Papergs/Ries.

FERRARI, M. A., GHROS, A. C. C. P. (2016). Competências Necessárias na Formação dos Estudantes de Relações Públicas: Uma Visão de Professores e Profissionais do Mercado. Anais do X Congresso ABRAPCORP. Recuperado em 10 de setembro de 2017, de http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/Ebooks/978-85-397-0871-0.pdfp.141-142.

FRANCO, M., MOROSINI, M. C. (2008a). Internacionalização da educação superior e qualidade. En AUDY, J. L. N.; MOROSINI, M. C. (Org.). Inovação e qualidade na universidade (250-267). Porto Alegre: EDIPUCRS.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

GARCIA, R. M. C. (2013). A organização curricular na articulação entre serviço especializado e classe comum: um modelo inclusivo? En KASSAR, M. C. M. (Org.). Diálogos com a diversidade: desafios da formação de educadores na contemporaneidade (211-231). Campinas: Mercado de Letras.

IMBERNÓN, F. (2006). Formação docente e profissional. Formar-se para a mudança. São Paulo: Cortez, 2006.

______. (2009). Formación e innovación en la universidad del siglo XXI. En LAMARRA, N. F. Universidad, sociedad e innovación (179-190). Buenos Aires: EDUNTREF.

______. Formação continuada de professores. (2010). Porto Alegre: Artmed.

ISAIA, S., BOLZAN, D. P. V. (2009). Trajetórias da docência: articulando estudos sobre os processos formativos e a aprendizagem de ser professor. En ISAIA, S. e BOLZAN, D. P. V. (Orgs.) Pedagogia Universitária e Desenvolvimento Profissional Docente (121-143). Porto Alegre: EDIPUCRS.

KINCHELOE, J.L., BERRY, K. S. (2007). Pesquisa em educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre: ARTMED.

KUNSCH, M. M. K. (2007). Perspectivas e desafios para as profissões de comunicação no terceiro milênio. En KUNSCH, M. M. K. (Org.). Ensino de comunicação: qualidade na formação acadêmico-profissional (87-101). São Paulo: INTERCOM-ECA-USP. Recuperado em 10 de setembro de 2017, de http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002785739.pdf.

______. (2003). Propostas pedagógicas para o curso de relações públicas: análises e perspectivas. En PERUZZO, C. M. K., SILVA, R. B. (Org.). Retrato do ensino em comunicação no Brasil (45-62). Taubaté: Unitau/Intercom, 2003.

MARIOTTI, H. (2001). Prefácio. En Maturana, H. R. e Varela, F. J. A árvore do conhecimento: as bases epistemológicas da compreensão humana. São Paulo: Editora Palas Athena.

MORIN, E. (2015). Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Editora Sulina.

______. (2006). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

______. (2000a) A cabeça bem-feita: repensar e reformar, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

______. (2000b). Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO.

MOROSINI, M. C. (2014). Estado de conhecimento: sua contribuição à ruptura de pré-conceitos. En Revista de Educação da UFSM,

______. (2013). Estado de conhecimento e questões do campo científico. En Revista da Educação da UFSM, Santa Maria, Santa Maria, v. 40.

MOURA, C. P. (2009). O ensino de graduação e pós-graduação no Brasil. En KUNSCH, M. M. K (Org.). Relações públicas: história, teorias e estratégias nas organizações (77-106). São Paulo: Saraiva.

O’SULLIVAN, E. (2004). Aprendizagem transformadora: uma visão educacional para o século XX. São Paulo: Cortez.

PORTAL DO MEC. Diretrizes curriculares de Relações Públicas. Recuperado em 05 de setembro de 2017, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14243-rces002-13&category_slug=setembro-2013-pdf&Itemi

RAYNAUT, C.; ZANONI, M. (2011). Reflexões sobre princípios de uma prática interdisciplinar na pesquisa e no ensino superior. En PHILIPPI Jr., A.; NETO, A. J. S. (Org.). Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia & inovação (143-208). Barueri: Manole.

RIOS, T. A. (2002). Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. 3. ed. São Paulo: Cortez.

ROLDÃO, M. C. (2007). Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. En Revista Brasileira de Educação (94-103). Recuperado em 10 de setembro de 2017, de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a08v1234.

SCROFERNEKER, C. M. A. (2008). Comunicação organizacional: certezas e incertezas. En SCROFERNEKER, C. M. A. (Org.) O Diálogo possível: Comunicação Organizacional e Paradigma da Complexidade (15-30). Porto Alegre: EDIPUCRS.

______. (2008). (Re)Construindo a História das Relações Públicas. En MOURA, C. P. (Org) História das Relações Públicas: fragmentos da memória de uma área (43-52). Porto Alegre: EDIPUCRS. Recuperado em 10 de setembro de 2017, de http://www.pucrs.br/edipucrs/historiarp.

Silva, Juremir Machado da. (2016) Apresentação. In: Lipovetsky, Gilles. Da leveza: rumo a uma civilização sem peso. Tradução: Idalina Lopes. Barueri:São Paulo, Manole.

WHEATLEY, M. J. (2006). Liderança para tempos de incerteza: a descoberta de um novo caminho. São Paulo: Editora Cultrix.

ZABALZA, M. A. (2004). O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed.

ZARIFIAN, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.


Texto completo: VER PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef

Síguenos en Twitter