A formação universitária em Relações Públicas: novas demandas e desafios da sociedade contemporânea/The educational background in Public Relations: new demands and challenges of the contemporary society

Autores/as

  • Margarida Maria Krohling Kunsch Universidade Sao Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5783/revrrpp.v7i14.490

Palabras clave:

Sociedade, Formação universitária, Comunicação, Relações Públicas, Docência, Diretrizes curriculares, Brasil.

Resumen

Com base em fontes bibliográficas e referências autorais, este artigo  tem como propósito reunir  reflexões sobre as principais características da  sociedade  contemporânea e suas implicações sobre a docência  e para a formação em relações públicas. Analisa a comunicação digital e os desafios  para a formação e  a prática profissional. Apresenta um breve relato sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais  do Curso  de Graduação de Relações Públicas vigentes  no Brasil. E, por fim   discorre sobre a necessidade de uma formação abrangente e integradora dos  profissionais que vão atuar na gestão da  comunicação nas organizações e nos relacionamentos públicos com a opinião pública e a  sociedade.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Margarida Maria Krohling Kunsch, Universidade Sao Paulo

Professora-titular e pesquisadora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Tem mestrado e doutorado em Ciências da Comunicação e livre-docência em Teoria da Comunicação Institucional: Políticas e Processos, pela ECA-USP.

Citas

BRETON, Philippe. (2000). La utopía de la comunicación: el mito de la aldea global. Trad. de Paula Mahler. Buenos Aires, Nueva Visión.

CAMBRICOLI, Fabiana e TOLEDO, Luiz Fernando. ”Aumento de transtornos mentais entre jovens preocupa universidades”. O Estado de S. Paulo, 17 de setembro de 2017, p. A17.

CASTELLS, Manuel. (2009). Comunicación y poder. Madri: Alianza Editorial.

DI FELICE, Massimo. (2012). “Auréola digital: a crise dos pontos de vista centrais e o fim do direito exclusivo da edição das informações”. In Oliveira, Ivone de Lourdes e Marchiori, Marlene (Orgs.). Redes sociais, comunicação, organizações (147-166). São Caetano do Sul, SP: Difusão.

DI FELICE, Massimo. (2008). “Das tecnologias da democracia para as tecnologias da colaboração”. In: Di Felice, Massimo (Org.). Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social (17-62). São Caetano do Sul, SP: Difusão.

DOWBOR, Ladislau. Apresentação. In: Dowbor, Ladislau et al. (Orgs.). Desafios da comunicação. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 7-9.

HAN, Byung-Chul. (2017). Sociedade do cansaço. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

GIDDENS, Anthony. (2002). Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

IANNI, Octávio. (2000). Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. (2003). “Propostas pedagógicas para o curso de relações públicas: análises e perspectivas”. In: Peruzzo, Cicília M. Krohling e Silva, Robson Bastos da (Orgs.). Retrato do ensino em comunicação no Brasil (45-62). Taubaté, SP: Unitau/Intercom.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. (2007). “Perspectivas e desafios para as profissões de comunicação no terceiro milênio”. In: Kunsch, Margarida M. Krohling (Org.). Ensino de comunicação: qualidade na formação acadêmico-profissional (87-101). São Paulo: ECA-USP/Intercom.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. (2015). “Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação de Relações Públicas: aportes conceituais e práticos para sua implantação”. In: Almeida, Fernando Ferreira et al. (Orgs.). O ensino de comunicação frente às diretrizes curriculares. São Paulo: Intercom.

MORENO, Angeles et al. (2017). Latin American Communication Monitor (LCM) 2016-2017. Tendencias en comunicación estratégica: big data, automatización, engagement, influencers, coaching y competencias. Resultados de una encuesta em 17 países. Madrid, Espanha: Euprera/Dircom.

MORIN, Edgar et al. (Orgs.). (2009). Educação e complexidade: os setes saberes e outros ensaios. 5. ed. São Paulo: Cortez.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. (2011). 2. ed. – revisada. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco.

MOURA, Cláudia Peixoto. (2002). O curso de comunicação social no Brasil: do currículo mínimo às novas diretrizes curriculares. Porto Alegre: Edipucrs.

SAAD CORRÊA, Elisabeth. (2016). “A comunicação na sociedade digitalizada: desafios para as organizações contemporâneas”. In: Kunsch, Margarida M. Krohling. (Org.). Comunicação organizacional estratégica: aportes conceituais e aplicados (59-76). São Paulo: Summus Editorial.

SENNETT, Richard. (2001). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 5. ed. Rio de Janeiro, Record.

SROUR, Robert. (1998). Poder, cultura e ética nas organizações. São Paulo: Editora Campus.

TAPSCOTT, Don e TICOLL, David. (2005). A empresa transparente: como a era da transparência revolucionará os negócios. São Paulo: Makron Books.

VATTIMO, Gianni. (1991). A sociedade transparente. Trad. Carlos Aboim de Brito. Lisboa: Edições 70.

Descargas

Publicado

2017-12-21

Número

Sección

MONOGRÁFICO: DOCENCIA EN RELACIONES PÚBLICAS EN BRASIL