Como identificar o usuário-mídia, o formador de opinião online no ambiente das mídias sociais/How to identify the user-media, the on-line opinion maker in social media environment

Carolina Frazon Terra

Resumen


Resumo Este artigo objetiva entender quem são os influenciadores do meio digital, a quem denominamos de usuários-mídia, bem como apresentar opções e sinônimos teóricos desenvolvidos por autores de renome no mundo das mídias sociais e da comunicação digital e relacioná-lo ao formador de opinião on-line. Também visa apresentar como a comunicação organizacional pode tratar tal usuário, identificá-lo e categorizá-lo e mostra números e pesquisas que denotam a importância do usuário comum das mídias sociais que, imbuído do poder de expressão proporcionado pelas redes on-line, consegue voz e ainda convence e influencia seus pares e seguidores com suas opiniões, experiências e vivências. Apresentamos, por fim, a título ilustrativo, uma tabela de como classificar um usuário de internet como influenciador ou não. Todo o artigo baseia-se na metodologia da revisão bibliográfica em conjunto com experiências práticas testadas pela autora no ambiente das mídias sociais.

 

Palavras-chave: Usuário-mídia; mídias sociais; redes sociais on-line; formador de opinião on-line; comunicação organizacional.

 

 

Abstract

 

The article aims to understand who are the on-line opinion makers, which we call users-media, as well to introduce options and theoretical synonyms, developed by well-known authors of social media and digital communication. Also has the objective of presenting how corporate communication can treat and build relationships with the user-media, how to identify and categorize them and show some numbers and researches that can demonstrate the common web user relevance because of their power of expression provided by on-line networks. This kind of user is able to have voice, convincement and power of influence on its followers, friends and pairs because of its opinions and experiences. We present, lastly, as an example of practical application, a table of how to classify an internet user as an influencer or not. The whole article is based on the methodology of the literature review with practical experiments tested by the author in the environment of social media.

 Keywords: User-media; social media; on-line social networks; on-line opinion maker; corporate communications.


Citas


ANDERSON, C. (2006). A cauda longa. Campus: 2006.

BARABÁSI, A. (2003). Linked: how everything is connected to everything else and what it means for business, science and everyday life. New York: Plume.

BENKLER, Y. (2006). The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. New Haven, Conn: Yale University Press.

BORDIEU, P. (1998). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRUNS, A. (2007). Produsage: towards a broader framework for user-led content creation. Paper apresentando na conferência Creativity & Cognition, Washington D.C., USA. 13-15 Junho de 2007. Recuperado em 13 de Janeiro de 2012, de: http://produsage.org/node/6.

CASTELLS, M. (2007). Communication, Power and Counter-power in the Network Society. International Journal of Communication 1.: University of Southern California, volume 1, p. 238-266. Recuperado em 15 de Agosto de 2012, de: http://ijoc.org.

COUTINHO, Marcelo. (10/05/2009A). A web 2.0 vai às compras. Recuperado em 13 de Maio de 2009, de: http://idgnow.uol.com.br/internet/sociedade_digital/idgcoluna.2009-05-10.0277283701.

COUTINHO, Marcelo. (03/03/2009B). Crise? Qual? Recuperado em 3 de Março de 2009, de: http://idgnow.uol.com.br/internet/sociedade_digital/idgcoluna.2009-02-27.5633510124.

COUTINHO, Marcelo. (abr/2007). Marketing e comunidades digitais: do discurso ao diálogo. Revista da ESPM. São Paulo, Abr. 2007. Recuperado em 12 de Fevereiro de 2009, de: http://www.ideiacom.com.br/gerenciador/arquivos/documentos/artigo_marcelo_coutinho.pdf.

DELOITTE. Mídias sociais nas empresas: o relacionamento on-line com o mercado. Estudo publicado no site da Deloitte em 2010. Recuperado em 23 de Junho de 2010, dehttp://www.deloitte.com/assets/Dcom-Brazil/Local%20Assets/Documents/Estudos%20e%20pesquisas/MidiasSociais_relatorio_portugues.pdf.

DEUZE, M. (2009). The media logic of media work. Journal of Media Sociology. University of Illinois, v.1, n. 1/2. p. 22-40. Recuperado em 30 de Setembro de 2010, de: http://www.marquettejournals.org/images/JMSVol1Nos12.pdf.

DJICK, J. v. (2009). Users like you? Theorizing agency in user-generated content. Media, Culture & Society. Amsterdam, Sage Publications, V.31 (1), P. 41-58.

DUARTE, J.; BARROS, A. (2005). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas.

EDELMAN& TECHNORATI. (2006). Public Relations: communications in the age of personal media. Recuperado em 6 de Setembro de 2007, de: http://www.edelman.com/summit07/uploads/bloggersurvey_final_public_relationships.pdf.

FERNANDES, M. (2009). Do BroadCast ao SocialCast: como as redes sociais estão transformando o mundo dos negócios. São Paulo: W3 Editora.

IAB Plataform Status Report: UGC, Social Media and Advertising – An Overview. (2008). Recuperado em 2 de Julho de 2009, de: http://www.iab.net/media/file/2008_ugc_platform.pdf.

JENKINS, H. (2006). Cultura da convergência. São Paulo: Aleph.

_________. If it doesn´t spread, it´s dead (part one): media viruses and memes. Confessions of an Aca-Fan. (2009). Recuperado em 12 de Dezembro de 2009, de: http://henryjenkins.org/2009/02/if_it_doesnt_spread_its_dead_p.html.

KEEN, A. (2009). O culto do amador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

KOZINETS, R. V. (2002). The Field behind the screen: using netnography for marketing research in on-line communities. Journal of Marketing Research. V.49, p. 61-72.

LEADBEATER, C. (2007). We think: why mass creativity is the next big thing. Recuperado em 16 de Dezembro de 2009, de: http://www.wethinkthebook.net/cmc/site/docs/charles%20full%20draft.pdf.

MÍDIAS SOCIAIS: a transparência das redes e do boca a boca. (2008). Elife. São Paulo, v.1. Ed. III. Recuperado em 25 de Outubro de 2009, de http://www.elife.com.br/papers.do?num=3&dl=0.

MONTARDO, S. P. (2009). Conteúdo Gerado pelo Consumidor. Reflexões sobre a apropriação pela Comunicação Corporativa. In: XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, GP Cibercultura. Anais... Recuperado em 13 de Setembro de 2009, de http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-1759-1.pdf.

RODRIGUES, C.; ARRAIS, D. (2008). Você é a propaganda. Folha de S.Paulo. Caderno de Informática. Recuperado em 12 de Fevereiro de 2009, de: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/informat/fr2603200801.htm.

SODRÉ, M. (2006). Antropológica do espelho. São Paulo: Vozes.

TAPSCOTT, D. (2007). Wikonomics. Como a comunicação em massa pode mudar o seu negócio. Editora Nova Fronteira.

TEICH, D. H. (2008). A arte de encantar o jovem. Revista Exame. São Paulo, Ano 42, n. 20, Ed. 929. p. 112-119.

TERRA, C. F. (2012). Usuário-mídia: o formador de opinião online no ambiente das mídias sociais. Trabalho apresentado no VI Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas – “VI Abrapcorp 2012 – Comunicação, Discurso, Organizações”. São Luiz/MA – 26 a 28 de abril de 2012.

TERRA, C. F. (2009). A comunicação organizacional em tempos de redes sociais on-line e de usuários-mídia. In: XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, IX Encontro dos Grupos/Núcleos de Pesquisa em Comunicação. Curitiba, 2009. Recuperado em 13 de Setembro de 2009, de http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-0495-1.pdf.

THE Cluetrain manifesto. (2000). Recuperado em 10 de Julho de 2009, de http://www.cluetrain.com/portuguese/index.html.

TOFFLER, A. (1990). Powershift. Rio de Janeiro: Record.

UGARTE, D. (2008). O poder das redes. Porto Alegre: ediPUCRS/CMDC.


Texto completo: VER TEXTO COMPLETO

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef