The PR Pyramid: Social media and the new role of Public Relations in organizations / A Pirâmide das RP: Os media sociais e o papel das Relações Públicas nas organizações

Manuel José Damásio, Patricia Dias, José Gabriel Andrade

Resumen


This paper explores the relationship between social media as tools used by public relations professionals and as part of the daily lives of organizations’ stakeholders, identifying emergent practices in public relations and confronting new perspectives, both professional and academic, on public relations functions and on its role within organizational communication.

Departing from the agreement shared by academics and professionals on a profound shift in public relations as a consequence of the increasingly widespread, intense and frequent use of social media, this paper intends to clarify the nature and terms of that shift. Two perspectives are confronted: one of them is focused on emergent professional practices and regards social media as tools at the disposal of the PR professional; the other is broader in scope and views social media as a contextual factor that influences both the stakeholders’ behavior patterns and PR practices, thus redefining the role of public relations within organizational communication. The paper presents results from an exploratory study whose goal was to identify a conceptual framework for understanding the impact of social media on public relations.

A relevant case study was identified, presenting the solution found by TAP, the Portuguese airline company, to deal with communication crisis involving the social media and to successfully manage social media use as a complementary communication channel. TAP’s social media presence is managed through an articulation of public relations, marketing and customer support where public relations assume a pivotal role. Drawing on this case study, we propose the PR pyramid as a theoretical model that redefines the role of public relations as the orchestrator of the consistent, coherent and integrated communication that is demanded by the contemporary digital context.

Resumo

Este artigo explora a relação entre os media sociais como ferramentas usadas pelos profissionais de relações públicas e como parte da vida quotidiana dos stakeholders das organizações, identificando práticas emergentes em relações públicas e confrontando novas perspetivas, tanto profissionais como académicas, sobre as funções das relações públicas e o seu papel no âmbito da comunicação organizacional.

Partindo da concordância entre académicos e profissionais sobre uma mudança profunda nas relações públicas como consequência da utilização cada vez mais generalizada, intensa e frequente dos media sociais, este artigo pretende clarificar a natureza e os termos dessa mudança. Duas perspetivas são confrontadas: uma foca-se em práticas profissionais emergentes e vê os media sociais como ferramentas à disposição dos profissionais de RP; a outra é mais abrangente e concebe os media sociais como um fator contextual que influencia tanto o comportamento dos stakeholders como as práticas de RP, redefinindo o papel das relações públicas no âmbito da comunicação organizacional. Este artigo apresenta resultados de um estudo exploratório cujo objetivo foi a identificação de um enquadramento concetual para a compreensão do impacto dos media sociais nas relações públicas.

Um estudo de caso é identificado como relevante para o desenvolvimento do enquadramento concetual pretendido, apresentando a solução encontrada pela TAP, a companhia aérea portuguesa, para lidar com situações de crise envolvendo os media sociais e para gerir com êxito a sua utilização. A presença da TAP nos media sociais é gerida através de uma articulação das relações públicas, do marketing e do apoio ao cliente na qual as relações públicas assumem um papel crucial. A partir deste estudo de caso, propomos a pirâmide das RP como um modelo teórico que redefine o papel das relações públicas como o orquestrador da comunicação consistente, coerente e integrada que é exigida pelo contexto digital contemporâneo. 

Resumo

Este artigo explora a relação entre os media sociais como ferramentas usadas pelos profissionais de relações públicas e como parte da vida quotidiana dos stakeholders das organizações, identificando práticas emergentes em relações públicas e confrontando novas perspetivas, tanto profissionais como académicas, sobre as funções das relações públicas e o seu papel no âmbito da comunicação organizacional.

Partindo da concordância entre académicos e profissionais sobre uma mudança profunda nas relações públicas como consequência da utilização cada vez mais generalizada, intensa e frequente dos media sociais, este artigo pretende clarificar a natureza e os termos dessa mudança. Duas perspetivas são confrontadas: uma foca-se em práticas profissionais emergentes e vê os media sociais como ferramentas à disposição dos profissionais de RP; a outra é mais abrangente e concebe os media sociais como um fator contextual que influencia tanto o comportamento dos stakeholders como as práticas de RP, redefinindo o papel das relações públicas no âmbito da comunicação organizacional. Este artigo apresenta resultados de um estudo exploratório cujo objetivo foi a identificação de um enquadramento concetual para a compreensão do impacto dos media sociais nas relações públicas.

Um estudo de caso é identificado como relevante para o desenvolvimento do enquadramento concetual pretendido, apresentando a solução encontrada pela TAP, a companhia aérea portuguesa, para lidar com situações de crise envolvendo os media sociais e para gerir com êxito a sua utilização. A presença da TAP nos media sociais é gerida através de uma articulação das relações públicas, do marketing e do apoio ao cliente na qual as relações públicas assumem um papel crucial. A partir deste estudo de caso, propomos a pirâmide das RP como um modelo teórico que redefine o papel das relações públicas como o orquestrador da comunicação consistente, coerente e integrada que é exigida pelo contexto digital contemporâneo.

Citas


BAUMAN, Z. (2000). Liquid Modernity. London: Polity Press.

BERG, B. (1989). Qualitative Research Methods for the Social Sciences. Boston: Ally and Bacon.

BRATTON, S. and EVANS, D. (2008). Social Media Marketing: An hour a day. New Jersey: John Wiley & Sons.

BREAKENRIDGE, D. (2008). PR 2.0: New media, new tools, new audiences. New Jersey: FT Press.

BREAKENRIDGE, D. (2012). Social Media and Public Relations: Eight new practices for the PR professional. New Jersey: FT Press.

BROGAN, C. (2010). Social Media 101: Tactics and tips to develop your business online. New Jersey: John Wiley & Sons.

BRUNS, A. (2008). Blogs, Wikipedia, Second Life, and Beyond: From Production to Produsage. New York: Peter Lang.

CASTELLS, M. (2005 [1996]). A Era da Informação: Economia, sociedade e cultura, Vol.1 – A Sociedade em Rede. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

CASTELLS, M. (2009). Communication Power. Oxford: Oxford University Press.

CHENEY, G., CHRISTENSEN, L., ZORN, T. and GANESH, S. (2011), Organizational Communication in an Age of Globalization: Issues, Reflections, Practices, Illinois: Waveland Press.

CIPR (2012). Share This: The social media handbook for PR professionals. New York: Wiley.

CORNELISSEN, J. (2011). Corporate Communication: a Guide to Theory and Practice. London: Sage.

DAVIS, M. (2009). The Fundamentals of Branding. Lausanne: AVA Academia.

EDWARDS, L. and HODGES, C. (2011). Public Relations, Society and Culture: Theoretical and empirical explorations. London: Routledge.

EVANS, L. (2010). Social Media Marketing: Strategies for Engaging in Facebook, Twitter and Other Social Media. Indianapolis: Que Publishing.

GIDDENS, A. (1991). Modernity and Self-Identity: Self and Society in the Late Modern Age. Stanford: Stanford University Press.

HALLIGAN, B. and SHAH, D. (2010). Inbound Marketing: Get Found Using Google, Social Media and Blogs. New Jersey: John Wiley & Sons.

HAY, D. (2009). A Survival Guide to Social Media and Web 2.0 Optimization: Strategies, Tactics and Tools for Succeeding in the Social Web. Texas: Dalton Publishing.

ISRAEL, S. (2009). Twitterville: How Businesses can Thrive in the New Glonal Neighborhoods. New York: Penguin Group.

KUNSCH, M. (2003). Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. 4.ed. São Paulo: Summus.

LEVY, J. (2010). Facebook Marketing: Designing Your Next Marketing Campaign. Boston: Pearson Education.

LI, C. and BERNOFF, J. (2008). Groundswell: Winning in a World Transformed by Social Technologies. Boston: Harvard Business School Press.

MACNAMARA, J. and Zerfass, A. (2012). Social Media Communication in Organizations: The challenges of balancing openness, strategy and management. International Communication Association 2012 Conference. Phoenix.

MICEK, D., MICEK, J.P. and WHITLOCK, W. (2009). The Twitter Handbook: How Social Media and Mobile Marketing is Changing the Way We Do Business and Market Online. New York: Morgan James Publishing.

MILLER, K. (2009). Organizational Communication: Approaches and Processes. New York: Wadsworth.

POSTMAN, J. (2008). SocialCorp: social media goes corporate. Berkeley: New Riders Press.

QUALMAN, E. (2009). Socialnomics: How Social Media Transforms the Way We Live and Make Business. New Jersey: John Wiley and Sons.

SCOTT, D. (2010), The New Rules of PR and Marketing: How to Use Social Media, Blogs, News Releases, Online Video, and Viral Marketing to Reach Buyers Directly, New Jersey: John Wiley & Sons.

SOLIS, B. and BREAKENRIDGE, D. (2009). Putting the Public back in Public Relations: How social media is reinventing the aging business of public relations. New Jersey: FT Press.

TAPSCOTT, D. and WILLIAMS, A. (2006). Wikinomics: How Mass Collaboration Changes Everything. New York: Penguin Group.

TAPSCOTT, D. and WILLIAMS, A. (2010). Macrowikinomics: Rebooting Business and the World. New York: Porfolio Hardcover.

THEAKER, A. and YAXLEY, H. (2012). The Public Relations Strategic Toolkit: An essential guide to successful public relations practice. London: Routledge.

THOMPSON, J. B. (1995). The Media and Modernity: A social theory of the media. Cambridge: Polity Press.

YIN, R. K. (2003). Case Study Research: Design and methods. Thousand Oaks: Sage.


Texto completo: VER TEXTO COMPLETO

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef