Historia y trayectoria de las Relaciones Públicas en Brasil.- History of Public Relations in Brazil

María Aparecida Ferrari

Resumen


Durante muchas décadas la enseñanza y la práctica de las Relaciones Públicas en Brasil y demás países de América Latina utilizaron como referencia central un abordaje norteamericano y, en menor escala europea. Tal comportamiento llevó los profesionales a adoptar valores y modelos importados como referencia para nuestro comportamiento organizacional. Desde la década de 1990, con el fenómeno de la globalización y el avance de la tecnología, las Relaciones Públicas pasaron a ejercer un papel más estratégico y menos táctico. Hoy, las Relaciones Públicas son una profesión necesaria para el posicionamiento de las organizaciones en el mercado y también como responsable por las relaciones entre las organizaciones y sus stakeholders.

Citas


ANDRADE, C. T. S. (1993). Para entender Relações Públicas. 4a. edición. São Paulo: Loyola.

BECERRA, Nelly A. Pajuelo (1983). Perfil das Relações Públicas na América Latina. Disertación de Magíster. São Paulo. Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.

FERRARI, Maria Aparecida (2000). A influência dos valores organizacionais na determinação da prática e do papel dos profissionais de relações públicas: estudo comparativo entre organizações do Brasil e do Chile. Tesis de Doctorado. Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo – ECA-USP.

________(2003a). Novos aportes das Relações Públicas para o século XXI. Revista Comunicação e Sociedade. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano 24, no. 39.

________(2003b). Relações Públicas: função estratégica e responsabilidade social. Revista de Estudos de Jornalismo e Relações Públicas. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano I, no. 1.

________(2004a). A comunicação como processo estratégico na universidade. Revista de Estudos de Jornalismo e Relações Públicas. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano 2, no. 3.

_________(2003c). Public Relations in Chile: Searching for identity amid imported models. The Handbook Global Public Relations Handbook I. Lawrence Erlbaum, New Jersey.

________(2009a). Public Relations in Chile: Searching for identity amid imported models. The Handbook Global Public Relations Handbook II. New York, Routledge.

_________(2009b). Overview of Public Relations in Latin America. The Handbook Global Public Relations Handbook II. New York, Routledge.

____________ (2004b). Perspectivas latino-americanas das Relações Públicas: trajetória da atividade e da profissão. Paper presentado en VII Congreso Latinoamericano de Ciencias de la Comunicación de ALAIC. La Plata, 2004.

____________(2006). Percepção dos profissionais de Relações Públicas sobre o Sistema Conferp: análise da entidade e perspectivas para o futuro da atividade profissional. Paper presentado en el XXIX Intercom.

FRANÇA, Fábio (2003). Subsídios para o estudo do conceito de relações públicas no Brasil. Revista Comunicação e Sociedade. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano 24, no. 39.

FRANÇA, Fabio; FERRARI, Maria Aparecida: TONDATO, Márcia P. (2003) Resultados preliminares de pesquisa sobre o estado da arte do ensino de Relações Públicas. Revista de Estudos de Jornalismo e Relações Públicas. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano I, no. 2, dezembro de 2003.

GRUNIG, J. E., FERRARI, M. A. E FRANÇA, F (2009). Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul, Difusão.

GRUNIG, James E. (2003). A função das relações públicas na administração e sua contribuição para a efetividade organizacional e societal. Trad. de John Franklin Arce. Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: Póscom-Umesp, a. 24, n. 39, p. 67-92, 1o. sem.

KUNSCH, Margarida M. K. (2003). Tendências da produção científica em relações públicas e comunicação organizacional no Brasil. Revista Comunicação e Sociedade. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano 24, no. 39.

___________ (1997). Relações Públicas e Modernidade. São Paulo, Ed. Summus.

MELO, José Marques de. (2006). O campo acadêmico da Comunicação: história concisa”. en Pedagogia da Comunicação: matrizes brasileiras (org.). São Paulo: Angellara.

MOURA, Cláudia Peixoto. (2002). O curso de comunicação social no Brasil: do currículo mínimo às novas diretrizes curriculares. Porto Alegre: Edipucrs.

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. (1986). Relações públicas no modo de produção capitalista. São Paulo: Summus.

SIMÕES, Roberto Porto. (2001) Relações públicas e micropolítica. São Paulo: Summus.

__________ (1995). Relações públicas: função política. 3a. ed. São Paulo: Summus.

TEIXEIRA, João Evangelista. (2002) Relações Públicas na UMESP: 30 anos de História. São Bernardo do Campo, UMESP.

THOMAZI, Maria Stella. (1986). Contribuição da Associação Brasileira de Relações Públicas para a profissão de Relações Públicas no Brasil. Disertación de Magíster. São Bernardo do Campo, Universidade Metodista de São Paulo.

THOMAZI, Maria Stella. (1991). O ensino e a pesquisa em relações públicas no Brasil e a sua repercussão na profissão. São Paulo. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – ECA-USP.

VAN RULLER, B & Vercic, D. (2003). Perspectivas européias das Relações Públicas. Revista Comunicação e Sociedade. São Bernardo do Campo, UMESP, Ano 24, no. 39.

WEY, Hebe. (1983). O processo de Relações Públicas. São Paulo, Summus.

ZAPATA, Julio Henriquez. (1998). Começando, trinta anos depois do início. O Parlamento Nacional de Relações Públicas como fonte para determinar incertezas e problemas da profissão. Disertación de Magíster. São Paulo, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.


Texto completo: Ver texto completo

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef