Comunicação de Risco: um descompasso entre discurso e prática no caso Shell/Basf / Risk Communication: Mismatch between speech and practice in Shell/Basf case

Milene Rocha Lourenço Leitzke, Marlene Marchiori

Resumen


Este artigo visa discutir o conceito de comunicação de risco no contexto do caso das empresas Shell e Basf que ocorreu na cidade de Paulínia, no interior do estado de São Paulo, Brasil. A comunicação de risco nasceu para suprir a lacuna existente entre a informação técnica- científica do risco e a percepção que os sujeitos têm sobre o risco, instigando a conscientização sobre as fragilidades que as situações de riscos representam. Diante disso, buscou-se evidenciar como a Basf se relacionou com seus públicos no sentido de comunicar os riscos e preservar a saúde e integridade física dos sujeitos envolvidos. Para concretização da pesquisa, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com ex trabalhadores da empresa e feito análise de documentos que abordam informações sobre o caso.  Essa análise e as entrevistas revelaram que embora as empresas afirmem terem a comunicação de risco como uma prática, o impacto de suas ações sobre os públicos afetados demonstra o contrário: um descompasso entre seus discursos e suas práticas.


Citas


ASHCRAFT, K. L., et al. (2009). Constitutional Amendments: “Materializing” Organizational Communication. Academy of Management Annals, 3(1), 1–64.

BECK, U. (2010). Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34.

COVELLO, V. (1992). Risk communication: an emerging area of health communication Research. In. DEETZ, S. A. (Ed.), Communication yearbook 15. Newbury Park, CA: Sage.

COVELLO, V., & Sandman, P. (2001). Risk communication: Evolution and Revolution, in Wolbarst A. (ed.) Solutions to an Environment in Peril. Baltimore, MD: John Hopkins University Press, 164-178

CVETKOVICH, G.T. & LOFSTEDT R. E. (1999). Social Trust and the management of risk. London: Earthscan.

GODEMANN, J. & MICHELSEN, G. (2011). Sustainability Communication: Interdisciplinary Perspectives and Theoretical Foundations. Springer.

GODOI, C. K. Perspectivas de Análise do discurso nos estudos organizacionais. In: Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R. & Silva, A. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 376-401.

GODOY, A. S. (2010). Estudo de caso qualitativo. In: Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R. & Silva, A. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva. p. 115-146.

GOLDENBERG, M. (1997). A Arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 3ª ed. Rio de Janeiro: Record.

HANNIGAN, J. (2009). Sociologia Ambiental como um campo de pesquisa. In: HANNIGAN, J. Sociologia Ambiental. Editora Vozes.

HUBERMAN, L. (1981). A História da riqueza do homem. Editora Zahar. 16ª Edição.

LEISS, W. & KREWSKI, D. (1992). Prospects and Problems in Risk Communication. Institute or risk research (1992). In: Leiss, W. Prospects and Problems in Risk Communication.

LEISS, W. (1996). Three phases in the evolution of risk communication practice. Annals of the American Academy of Political and Social Science, Vol. 545, Challenges in Risk Assessment and Risk Management.

LUNDGREN, R. & MCMAKIN, A. (2004). Risk Communication. A handbook for communicating environmental, safety, and health risks. 3ed. Battelle Press.

MARCHIORI, M. (2011). Imbricating Organizational Culture and Communication: a Brazilian Case Study. Proceedings from 61th ICA Conference, Boston, EUA.

MARCHIORI, M. (2013). Perspectivas Metateóricas da Cultura e da Comunicação. São Caetano do Sul. SP: Difusão Editora; Rio de Janeiro: Editora Senac.

NRC - NATIONAL RESEARCH COUNCIL. (1989). Improving Risk Communication. National Academy Press. Washington, D.C.

OLIVEIRA, I. & PAULA, A. de. (2008). O que é comunicação estratégica nas organizações? 2ed. São Paulus.

PALENCAR, M. J. (2005). Risk communication. In: HEATH R. L. (Ed.). Encyclopedia of public relations. Thousand Oaks, CA: Sage.

RENN, O. & LEVINE, D. (1991). Credibility and Trust in Risk Communication: In: R.E. Kasperson e P.J.M. Stallen (Eds.), Communicating Risks to the public. The Hague: Kluwer.

RINALDI, A. (2007). A Importância da Comunicação de risco para as organizações. Dissertação (Mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente) - Centro Universitário SENAC, São Paulo.

SANDMAN, P. M. (1986). Explaining environmental risk: some notes on environmental risk communication. Washington: Environmental Protection Agency.

SLOVIC, P. (1987). Perception of Risk. In. Science, New Series, Vol. 236, Nº 4799.

YIN, R.K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: VER PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef