Interdisciplinaridade e desenvolvimento de competências profissionais: levantamento empírico com egressos de Relações Públicas da Universidade Federal de Minas Gerais/Interdisciplinarity and professional skills’ development: empirical survey with Public R

Hélia de Oliveira Ladeia, Wânia Maria Araújo

Resumen


Resumo

O presente artigo desenvolve uma discussão teórico-conceitual acerca do campo de atuação de Relações Públicas, entendida como uma das áreas de composição da Comunicação Social. Nossa proposta se sustenta na pontuação de desafios e demandas profissionais enfrentadas pela área enquanto um campo marcado por disparidades e tensionamentos. Para traçar este panorama complexo relativo à área, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com egressos do curso de Relações Públicas da Universidade Federal de Minas Gerais, graduados entre 2004 e 2014. Foram 13 profissionais consultados e, a partir das respostas dadas durante os encontros, analisamos para o presente trabalho as dimensões da interdisciplinaridade como aspecto relevante à formação na área, bem como o desenvolvimento de competências profissionais específicas para um bom desempenho no mercado de trabalho. Em termos de discussões teóricas, além da base assentada na interdisciplinaridade como conceito-chave para a pesquisa, tecemos também considerações sobre a noção de habitus, baseados em Pierre Bourdieu (1974). Para compreender a formação histórica do campo de Relações Públicas, retomamos a inserção do campo no Brasil, principalmente a partir do regime militar. Em termos curriculares, ainda retomamos o histórico do currículo do curso, tomando por base o caso da UFMG. Dentre os principais aportes alcançados, pode-se considerar a interdisciplinaridade como fator primordial e a ser estimulado no percurso acadêmico, segundo a opinião dos egressos. Por fim, as constatações permitem refletir quanto a possíveis encaminhamentos para a melhor integração entre egressos e atuais alunos do curso, de modo a correlacionar mercado e Academia numa dialogia profícua.

Palavras-chave: Relações Públicas, Mercado de trabalho, Integração universitária, Egresso.

Abstract

This article develops a theoretical-conceptual discussion about the field of Public Relations, understood as one of the areas of composition of Social Communication. Our proposal is based on the scoring of challenges and professional demands faced by the area as a field marked by disparities and tensions. To trace this complex panorama regarding the area, semi-structured interviews were conducted with graduates of the Public Relations course of the Federal University of Minas Gerais, graduated between 2004 and 2014. There were 13 professionals consulted and, from their answers during the meetings, in the present work we analyzed the interdisciplinarity dimensions as a relevant aspect to the training in the area, as well as the development of specific professional skills for a great performance in the labor market. In terms of theoretical discussions, beyond the interdisciplinarity basis as a key concept for research, we also make considerations about the notion of habitus, found on Pierre Bourdieu (1974). To understand the historical formation of the field of Public Relations, we resumed the insertion of the field in Brazil, mainly from the military regime. In terms of curriculum, we still resume the course history program, based on the case of UFMG, which in 2000 was implemented with a flexible curriculum proposal and can be considered a set of pedagogical experiences organized to facilitate the exchange of knowledge between the various academic areas. Among the main contributions achieved, interdisciplinarity can be considered as a primordial factor and to be stimulated in the academic path, according to the opinion of the graduates. Another important finding concerns the demands and expected competences of these subjects, that pointed out weaknesses in the curriculum, but not as a negative factor of the course, given that most approve the contributions given to their education. Moreover, there is a disparity between the formation of PR and what they find in the reality of market demands. Thus, the professional habitus suffers interference from these multiple practices experienced in different ways by the graduates, and the complete humanistic and social formation is fundamental for the consecration of a complete professional. Throughout the interviews, the professionals´ opinions divergence in Public Relations was noticeable. On the one hand, graduates sometimes extolled the training offered by the course, highlighting skills learned, subjects taken, internship opportunities and extension projects; On the other hand, a series of opinions differed on the same issues, pointing to flaws or deficiencies in the formation, such as the lack of discipline to organize events. The difficulty of legitimizing the field is noted by professionals as something that forces them to go through other sectors in search of strengthening the image and professional identity of the area. It was also noticeable that the course of professional performance of students maintained a constant trajectory within the field of Public Relations, always acting in the area, even if it was necessary to act in other areas that were not specific to the field. In conclusion, the findings allow us to reflect on possible directions for the better integration between graduates and current students of the course, in order to correlate market and Academy in a fruitful dialogue.

Keywords: Public Relations, Job market, University integration, Graduate


Citas


BALDISSERA, R., PADILHA FLORES, S. e BRANCA SÓLIO, M. (2008). 35 anos do curso de relações públicas da universidade de Caxias do Sul – UCS. In PEIXOTO DE MOURA, C. (Org.) História das relações públicas: fragmentos da memória de uma área (520-535). Porto Alegre: EDIPUCRS.

BOURDIEU, P. (2001). As estruturas sociais da economia. Lisboa: Instituto Piaget.

BOURDIEU, P. (1983). Sociologia. São Paulo: Ática.

BOURDIEU, P. e PASERON, J. (2008). A Reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes.

CABESTRÉ, S. A. (2008). Contextualizando as Relações Públicas como atividade do campo profissional. In PEIXOTO DE MOURA, C. (Org.) História das relações públicas: fragmentos da memória de uma área (103-136). Porto Alegre: EDIPUCRS.

CARBONELL, J. (2002). A aventura de inovar: A mudança na escola. Porto Alegre: Artmed.

COSTA MOROSINI, M. (2014). Qualidade da educação superior e contextos emergentes. Revista Avaliação, 19(2), 385-405.

FERRARI, M.A. y GROHS, A.C. (2017). Pesquisa nacional dos cursos de Relações Públicas no Brasil: práticas dos coordenadores e docentes no processo ensino-aprendizagem. Revista Internacional de Relaciones Públicas, 7 (14), 43-62.

FLORES-MAYORGA, M.T. y CASTILLO-ESPARCIA, A. (2018). La incongruencia profesional de las competencias específicas en los planes de estudio de las Relaciones Públicas en México. Revista Internacional de Relaciones Públicas, VIII (16), 151-170.

GALLICHIO, E. (2002). Empoderamento, teorias de desenvolvimento e desenvolvimento local na América Latina. In ROMANO, J. O.; ANTUNES, M. (Org.). Empoderamento e direitos no combate à pobreza (67-90). Rio de Janeiro: ActionAid Brasil. Recuperado em 10 de março de 2018, de http://187.45.205.122/Portals/0/Docs/empoderamento.pdf

GRUNIG, J. (2003). A função das relações públicas na administração e sua contribuição para a efetividade organizacional e societal. Tradução de John Franklin Arce. Comunicação & Sociedade, 24 (39), 67-92. Recuperado em 10 de março de 2018, de https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO/article/view/4840/4090

KUNSCH, M.M.K. (2015). Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação de relações públicas: aportes conceituais e práticos para sua implantação. In FERREIRA ALMEIDA, F., BASTOS SILVA, R. e BRISENO MARQUES DE MELO, M. (Org.). O ensino de comunicação frente às Diretrizes Curriculares (20-45). São Paulo: INTERCOM, 2015.

KUNSCH, M.M.K. (2012). As dimensões humana, instrumental e estratégica da Comunicação Organizacional: recorte de um estudo aplicado no segmento corporativo. Intercom, 35(2), 267-289. Recuperado em 10 de março de 2018, de: http://www.scielo.br/pdf/interc/v35n2/14.pdf

KUNSCH, M.M.K. (2017). A formação universitária em Relações Públicas: novas demandas e desafios da sociedade contemporânea. Revista Internacional de Relaciones Públicas, VII ( 14), 5-12.

LEI N. 9394 (de 20 de dezembro de 1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado em 10 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

LEI N. 5377 (de 11 de dezembro de 1967). Disciplina a Profissão de Relações Públicas e dá outras providências. Recuperado em 10 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L5377.htm

MATILLA, K. y XIFRA, J. (2009). Comunicación Corporativa y Relaciones Públicas: un proyecto de aproximación universidad/profesión en Cataluña en el contexto de integración al Espacio Europeo de Enseñanza Superior. Razón y Palabra, no. 70, November–February,

http://www.razonypalabra.org.mx/Articulo%201%20RyPKMatillaJXifra110709.pdf

MEC (2009). Currículo: conhecimento e cultura. Recuperado em 10 de abril de 2017, de http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012193.pdf

MORIN, E. (2000). A epistemologia da complexidade. In MORIN, E. é LE MOIGNE, J. (Orgs.). A inteligência da complexidade (42-137). São Paulo: Petrópolis.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2013). Resolução nº 2, de 27 de setembro de 2013. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14243-rces002-13&Itemid=30192. Acesso em 12 nov. 2018.

OLIVEIRA, I.L. y MARQUES, A.C.S. (2017). Panorama da produção científica em Comunicação Organizacional no Brasil: avanços epistemológicos, práticas discursivas e redes digitais. In RUÃO, T., NEVES, R. y ZILMAR, J. (Orgs.). A Comunicação Organizacional e os desafios tecnológicos (15-33.). 1ed.Braga (Portugal): CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Universidade do Minho.

RAMOS DE AZEVEDO, M. A. e RAMOS DE ANDRADE, M. de F. (2007). O conhecimento em sala de aula: a organização do ensino numa perspectiva interdisciplinar. Educar em Revista (online), 30, 235-250.

REIS SILVA, D. (2017). Relações públicas, ciência e opinião: lógicas de influência na produção de (in)certezas. (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

SCROFERNEKER, C. M. y VITÓRIA, M.I.C. (2017). Docência em Relações Públicas: fragmentos de uma reflexão inacabada. Revista Internacional de Relaciones Públicas, VII (14), 83-112.

SIQUEIRA, D.C.O. (2002). Persuasão, poder e dialética em Relações Públicas. Em FREITAS, R.F., LUCAS, L. Desafios contemporâneos em Comunicação – perspectivas de relações públicas (89-147). São Paulo: Summus Editorial.

UFMG (2009). Programa: Apoio ao Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI.

XIFRA, J. (2007). Undergraduate PR education in Spain: Endangered species? Public Relations Review, 33 (2), 206–213.


Texto completo: VER PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista incluida en Emerging Source Citation Index (ESCI - Thomson Reuters), ERIH PLUS, Catálogo Latindex, Dulcinea, e-Revistas, DICE, RESH, CIRC, ISOC, Dialnet, ULRICH, EBSCO, DOAJ, REBIUN, MIAR, Dialnet Métrics, Ranking REDIB

ISSN: 2174-3681

Prefijo DOI: 10.5783

Miembro de CrossRef

Síguenos en Twitter